Olá! Meu nome é Carolina Piovesan mas podem me chamar de Carol. Sou estudante de Biomedicina, amante de literatura e dona de uma loja online no Twitter (@ineedushop) de produtos fanmade kpop.

28/01/2016



Saudações Shadowhunters!

Cidade de Vidro da Cassandra Clare é o terceiro livro da série Os Instrumentos Mortais (6 livros ao todo) que por sua vez compõe As Crônicas dos Caçadores de Sombras, um universo gigantesco composto de diversos livros. Adianto que esta resenha terá spoilers para quem ainda não leu o livro anterior: Cidade das Cinzas (#).




Título: Cidade de Vidro
Série: Os Instrumentos Mortais Livro: 3
Autor: Cassandra Clare
Formato: Ebook
Editora: Galera Record
Páginas: 476
Ano: 2009
Nota: 5/5

Clary está à procura de uma poção para salvar a vida de sua mãe. Para isso, ela deve viajar até a Cidade de Vidro, lar ancestral dos Caçadores de Sombras, criando um portal sozinha. Só mais uma prova de que seus poderes estão mais sofisticados a cada dia. Para Clary, o perigo que isso representa é tão ou menos assustador quanto o fato de que Jace não a quer por perto. Mas nem o fora de Jace nem estar quebrando as regras irão afastá-la de seu objetivo: encontrar Ragnor Fell, o feiticeiro que pode ajudá-la a curar a mãe.


Leia também:
Os Instrumentos Mortais #1 Cidade dos Ossos
Os Instrumentos Mortais #2 Cidade das Cinzas

Assim que terminei Cidade das Cinzas comecei esse (ainda na madrugada, era tipo umas 3:20) e não me arrependi, posso dizer que este foi o melhor livro até agora. Não sei se vocês sabiam, mas Os Instrumentos Mortais era para ser uma trilogia a princípio porém como é muito comum, devido ao sucesso e outros fatores externos os autores sempre dão um jeito de “esticar” o enredo inicial, o grande problema é isso realmente dar certo. 

Já sabendo desse fato, fiquei com um pé atrás no que poderia ter sido feito no fim deste livro para que pudesse dar origem a outras continuações, o medo era grande, mas isso é história para outro post.

Clary, no fim do segundo livro deparou-se com uma grande oportunidade de salvar sua mãe, Jocelyn que estava em uma espécie de como mágico desde que o primeiro livro. Está oportunidade seria ir para Idris (o país dos Caçadores de Sombras) e encontrar a solução com um feiticeiro para salvar sua mãe. Até aí tudo bem, nada mais comum do que um filho quere salvar a mãe não é mesmo? Mas como sempre existem empecilhos lá vai esse: Jace.

Depois de todos os acontecimentos já passados, Jace quer distância de Clary (para conter o amor proibido e etc). Jace, Izzy e Alec iriam para Idris também porém o plano (somente de Jace) era deixar Clary para trás. Eu não achei tanta maldade assim uma vez que no fundo ele queria proteger ela de todas as coisas que a Clave poderia fazer com ela, já que ela tem o poder de “criar” Marcas (marcas, desenhos que dão poderes especiais aos caçadores de sombras, quando em contato com a pele). Eles poderiam usa-la como um arma contra Valentim (seu pai) num futuro próximo, isso sim era o que Jace realmente temia. Durante um ataque demoníaco ao Instituto, Bane é forçado a abrir um portal às pressas para Idris e Jace, Izzy, Alec e Simon – agora um vampiro – embarcarem para Idris.

Mas como toda personagem teimosa e determinada Clary arruma um jeito de ir atrás de ajuda para sua mãe. Neste livro também foram apresentados personagens novos como Alice e Sebastian, ambos caçadores de sombras. Aline tem uma “quedinha” por Jace (o que me irritou muito) e Sebastian é um cara suspeito que vive em conflito discreto com Jace. Ambos se odeiam praticamente. 

Ah, finalmente Jace e Clary abrem mão do destino e se entregam em seus sentimentos profundos! Isso foi lindo demais gente <3 Meu coração ficou em pedaços quando confusões ocorreram estragando o clima entre os dois.

Cidade de Vidro com certeza foi o melhor livro da série até agora, recheado de acontecimentos totalmente levados por impulsos eloquentes dos personagens além de, emoções provocadas a nós leitores totalmente involuntárias (me vi chorando e rindo em diversos momentos).

Voltando ao assunto no início do post, tudo poderia ter sido muito bem terminado neste livro. Sabe quando temos a sensação de não haver pontas soltas no enredo? Se não fosse pelo Epílogo e um pequeno momento no final, eu poderia ter dito que um continuação seria desnecessária. Não estou tão curiosa para o que vai acontecer, mas mesmo assim vou continuar lendo a série.


Desculpem pela falta de quotes, quando eu leio no kindle ou pelo celular, raramente lembro de destacar eles...

25/01/2016



Saudações Shadowhunters!

Depois de quase dois anos, eu li a continuação da série Os Instrumentos Mortais da autora Classandra Clare: Cidade das Cinzas. Hoje vou contar minhas impressões sobre esse universo fantástico que Cassie criou, bora lá?

Cidade das Cinzas da Cassandra Clare é o segundo livro da série Os Instrumentos Mortais (6 livros ao todo) que por sua vez compõe As Crônicas dos Caçadores de Sombras, um universo gigantesco composto de diversos livros. Adianto que esta resenha terá spoilers para quem ainda não leu o primeiro livro, Cidade dos Ossos (#).



Título: Cidade das Cinzas
Série: Os Instrumentos Mortais Livro: 2
Autor: Cassandra Clare
Formato: Ebook
Editora: Galera Record
Páginas: 406
Ano: 2008
Nota: 5/5


No mundo dos Caçadores de Sombras, ninguém está seguro. E agora que Clary descobriu fazer parte do perigoso Submundo, sua vida nunca mais será a mesma. Jace, seu recém-descoberto irmão, está cada vez mais impossível, e não parece medir esforços para enfurecer a todos. E sua atitude de bad boy não ajuda em nada quando, após o roubo do segundo dos Instrumentos Mortais, a Inquisidora aparece no Instituto para interrogá-lo... Agora Jace é suspeito de ajudar o pai, o perverso Valentim, num plano que vai colocar em risco não só Idris ou o Submundo, mas toda a cidade de Nova York. E Clary não pode deixar de se perguntar: será que as ironias de Jace são só uma forma de chamar atenção, ou também pode haver uma traição por trás de tanto mistério?

Leia também:
Os Instrumentos Mortais #1 Cidade dos Ossos


É incrível o poder de escrita que alguns autores tem de fazer com que o leitor simplesmente não consiga para a leitura até ver seu fim. Cassandra tem esse poder, o que arruinou totalmente minha rotina (eu fui dormir 3 horas da madrugada por causa deste, e dos outros livros da série). 

Da para se dizer que neste volume Jace (o maravilindo) é o personagem que tem mais questionamentos do que os outros. Motivado por dúvidas constantes sobre seu passado e presente ele vai em busca de respostas porém de algumas formas erradas, causando muitas encrencas pra si e para os de sua volta. Já é sabido que ele é o tipo bad boy, sarcástico que aparente não tem medo de nada porém neste livro, conhecemos aos poucos as outras faces desse garoto de cabelos louros (cor de bronze?).

Se tudo isso não basta-se ainda temos o conflito entre Clary e Jace que a todo momento tentam encarar a atual realidade, ignorando todos os sentimentos e desejos de paixão mais profundos para viver a vida como irmãos. Obviamente é muito difícil uma vez que o que sentem é muito, muito maior.

No livro anterior e me irritei demais com o Simon, e neste livro não foi muito diferente. Como Jace e Clary teoricamente não podem viver seu romance, Simon entra em ação para compor aquele “quase obrigatório” triangulo amoroso que a maioria dos livros dessa gênero tem, confesso eu odiava todas as cenas de Simon e Clary tendo algo a mais do que amizade (mesmo sendo confuso). Porém não posso deixar de comentar que mesmo nestas circunstâncias Simon sabia o que a “amiga” realmente sentia e que o que provavelmente iriam viver era uma completa farsa, ele foi maduro o suficiente para reconhecer e aceitar esses fatos.

Cassandra deu abertura para novos personagens no enredo, como é o caso do bando de licantropes de Luke e por consequência a jovem integrante, Maia. Eu gostei dela, e eu torcia em todos os momentos para que ela e Simon tivesse alguma coisa fora amizade, é fofo.

E como não podia faltar, Cidade das Cinzas teve batalhas impressionantes lideradas por Valentim e tendo o poder do Cálice Mortal (lá do primeiro livro) e por outro poder recém adquirido. Valentim foi muito bem explorado neste livro o que foi fundamental para nós leitores entendermos de uma vez por todas que o único interesse dele é ele mesmo (seus próprios objetivos).

Passei o livro todo com um aperto no coração, uma angustia pelos sentimentos escondidos entre Jace e Clary. Pelo amor de deus eles se amam gente, infelizmente é um amor proibido... Cassandra Clare soube exatamente como me deixar com os nervos à flor da pele.
Adorei a leitura! Estou tão viciada neste universo que já prevejo muitos surtos emocionais com as continuações rsrs. LEIAM!

Desculpem pela falta de quotes, quando eu leio no kindle ou pelo celular, raramente lembro de destacar eles...
 

Total de visualizações de página

Leitores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *