Olá! Meu nome é Carolina Piovesan mas podem me chamar de Carol. Sou estudante de Biomedicina, amante de literatura e dona de uma loja online no Twitter (@ineedushop) de produtos fanmade kpop.

27/01/2015

As Virgens Suicidas, Jeffrey Eugenides

Saudações õ/

A resenha de hoje é do livro As Virgens Suicidas do autor Jeffrey Eugenides, um clássico comtemporâneo norte-americano. Este foi o primeiro livro sorteado do meu TBR Book Jar ;)

Gênero: 
Autor: Jeffrey Eugenides
Formato: Kindle 
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 232
Ano: Minha edição é de 2013
Nota: 5/5 
"Num típico subúrbio dos Estados Unidos nos anos 1970, cinco irmãs adolescentes se matam em sequência e sem motivo plausível. A tragédia, ocorrida no seio de uma família que, em oposição aos efeitos já perceptíveis da revolução sexual, vive sob severas restrições morais e religiosas, é narrada pela voz coletiva e fascinada de um grupo de garotos da vizinhança. O coro lírico que então se forma ajuda a dar um tom sui generis a esta fábula da inocência perdida." - Skoob

     Publicado pela primeira vez em 1993, As Virgens Suicidas, não passa dispercebido por ninguém. Ao menos uma vez na vida você pode ter ouvido falar deste livro ou até mesmo da sua adaptação cinematográfica com direção da Shopia Coppola mas de qualquer forma, você deveria dar uma atenção para esta estória mesmo não sendo um gênero que lhe atraia.

     Narrado por um grupo de garotos que com o passar da estória descobrimos que moram na vizinhaça onde tudo acontece, somos introduzidos na família Lisbon e nas cinco filhas do casal: Cecila (13 anos), Lux (14 anos), Bonnie (15 anos), Mary (16 anos) e Therese (17 anos). Em um verão, a filha mais nova do casal comete suícido pulando de sua janela e caindo em uma cerca de madeira branca. Importante ressaltar que o fato somente concretizou-se após a primeira tentativa de acabar com a sua própria vida três semanas antes, na qual a menina cortou-se com lâminas de barbear um pouco antes de entrar na banheira com água morna.

"(...) mas mesmo em nossa ignorância sabíamos que não adiantava mais, que os olhos abertos e a boca que se contraía como a de um peixe cravado em um anzol eram apenas os nervos, e que ela havia conseguido na segunda tentativa, lançar-se para fora do mundo."

     A partir deste fato, os garotos que aos poucos sabemos seus nomes e costumes, exceto o narrador principal que fica invisível para nós leitores, vão mostrando que motivo pelo qual Cecília se mata não é revelado, o que não impede de que os garotos investiguem mesmo que seja as escuras os possíveis fatores que acarretaram a tragédia. A obcessão dos garotos pelas meninas chega a ser assustador quase que sociopata. Mesmo após anos do acontecido, lá estão eles relembrando e ainda sim tentando reunir peças do quebra cabeças para tentar chegar ao motivo das mortes.

 "E também precisarímos admitir que em nossos momentos mais íntimos, sozinhos à noite com o coração palpitante, pedindo a Deus que nos salve, quem mais aparece é Lux, súcubo daquelas noites binoculares"

     Como o nome do livro já sujere, num período curto - menos de um ano - todas as cinco irmãs Lisbon suicidam-se de maneiras diferentes, porém sem motivo plausível. Isso foi tão frustrante para mim, saber que nada podia-se ser feito para mudar o "destino" das garotas tão jovens, poder acompanhar a destruição da família aos poucos sem poder fazer absolutamente nada foi terrívelmente péssimo.

     É um livro denso e cansativo graças aos capítulos gigantescos e a demora por novos paragráfos. Eu me senti parte da vizinhança, eu sofri como todos sofreram na primeira morte, sofri tentando imaginar a vida das meninas cada vez mais distantes da vida própriamente dita. Sofri vendo-as fazendo coisas sem sentido, tudo para mascarar a falta de que sentiam da irmã mais nova.

" "Para a maioria das pessoas", afirmou, "o suicídio é como uma roleta russa. A arma tem apenas uma bala. No caso das meninas Lisbon, estava totalmente carregada. Uma bala para abusos domésticos. Uma bala para predisposição genética. Uma bala para mal-estar histórico. Um bala para ímpeto inevitável. As outras duas balas são impossíveis de nomear, mas isso não significa que não estivessem ali." "

     As Virgens Suicidas é o tipo de livro que terá um significado diferente para cada pessoa que o leia e arrisco dizer que também para cada momento da vida. O livro que te faz refletir no propósito de você estar neste mundo mesmo que seja vagando por aí. 
     Livro muito bom e que todos devem ler uma vez na vida, um livro que emociona do começo ao fim.

Playlist
  • Nirvana - Drain You (<3)
  • Nirvana - Bread
Abraços,
Carolina Piovesan
http://www.listchallenges.com/rory-gilmore-reading-challenge

4 comentários:

  1. Assisti o filme na época e me deixou bem impressionada! Já imagino o livro!
    Beijos!

    Sociedade do Esmalte

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia Paty! Você não ira se arrepender ;)
      Fantástico!!

      Beijos

      Excluir
  2. A capa do livro chama logo a atenção, dá a impressão que tem uma menina numa forca no meio de uma trilha. Parece ser uma história triste, mas dá a maior curiosidade saber porque as garotas cometeram suicídio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho a mesma impressão ao olhar para está capa.. A questão dos motivos é frustante! Mas é um ótimo livro *-*

      Abraços ;)

      Excluir

Dê sua opinião e ajude o Baú!

Total de visualizações de página

Leitores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *