Olá! Meu nome é Carolina Piovesan mas podem me chamar de Carol. Sou estudante de Biomedicina, amante de literatura e dona de uma loja online no Twitter (@ineedushop) de produtos fanmade kpop.

17/10/2016

Bom dia leitores!

Outubro, mês do horror. Peço desculpas por não ter preparado nada de temático esse ano, meu tempo realmente ficou escasso depois que comecei a faculdade.

Porém hoje trago uma resenha de um livro cujo autor é famoso por seus livros de horror, mas que dessa vez não fez uma obra de horror. Confuso? Trago a resenha de Joyland um policial incrível. Bora lá?

Título: Joyland
Autor: Stephen King
Formato: Físico
Editora: Suma de Letras
Páginas: 240
Ano: 2015
Nota: 5.0/5
Skoob: #
Sinopse:

Carolina do Norte, 1973. O universitário Devin Jones começa um trabalho temporário no parque Joyland, esperando esquecer a namorada que partiu seu coração. Mas é outra garota que acaba mudando seu mundo para sempre: a vítima de um serial killer. Linda Grey foi morta no parque há anos, e diz a lenda que seu espírito ainda assombra o trem fantasma. Não demora para que Devin embarque em sua própria investigação, tentando juntar as pontas soltas do caso. O assassino ainda está à solta, mas o espírito de Linda precisa ser libertado — e para isso Dev conta com a ajuda de Mike, um menino com um dom especial e uma doença séria. O destino de uma criança e a realidade sombria da vida vêm à tona neste eletrizante mistério sobre amar e perder, sobre crescer e envelhecer — e sobre aqueles que sequer tiveram a chance de passar por essas experiências porque a morte lhes chegou cedo demais.

Joyland é um parque de diversões, daqueles bem simples e antigos, que carrega uma história de horror: um assassinato. Segundo a lenda contada pelos trabalhadores do parque, o espírito de Linda Gray – a garota cujo corpo foi encontrado, com a garganta cortada, dentro dos trilhos do brinquedo Horror House – ainda circula pelo parque esperando para que seu assassinato seja resolvido para finalmente partir para o outro plano.

Devin Jones é um universitário com o coração partido, que está em busca de um emprego o qual o ajude a esquecer a antiga namorada (e ajudar com as despesas da casa, onde mora com seu pai).

Quando Devin consegue um emprego temporário no parque Joyland sua vida começa a mudar, amadurecer conforme passa seus dias (e noites) neste lugar repleto de peculiaridades – composto por uma vidente semi-medium; Howie, o cão feliz; Garotas Hollywoods; uma criança médium em fase terminal e uma mãe excelente atiradora.  

Stephen King mais uma vez escreveu uma trama brilhante sem criar seu clássico clima de terror. Joyland é um livro que mistura o mistério, policial e me arrisco dizer até algumas páginas de drama (aposto de muitos leitores irão debulhar-se em lágrimas com o desfecho mágico desta história).

Livro indicado para aqueles que nunca leram King e querem se aventurar em algo “mais leve”. Indicadissímo!

23/09/2016


Bom dia leitores!

Hoje trago uma resenha do livro Armadilha, um livro policial muito interessante que recebi para publieditorial do Grupo Editorial Pensamento. Bora lá?

Título: Armadilha
Série:
Autor: Melanie Raabe
Formato: Físico
Editora: Grupo Editorial Pensamento (selo Jangada)
Páginas: 304
Ano: 2016
Nota: 4.0/5
Sinopse:
Linda, uma escritora best-seller, vive reclusa em sua casa à beira de um lago desde o assassinato de sua irmã mais nova há doze anos. O assassino nunca foi pego, mas Linda o viu de relance, e agora ela acaba de reconhecer seu rosto na TV. Ele é Victor, um brilhante jornalista. Pensando numa saída para pegá-lo, ela escreve um best-seller baseado no assassinato da irmã e concorda em conceder uma única entrevista à imprensa, em sua casa, para Victor. A partir daí tem início um embate perturbador. Cheio de reviravoltas, tensão e terror psicológico.
        Não sei se vocês perceberam, mas durante todos estes anos com o blog eu nunca fui uma aficionada por romances policiais ou algo do tipo, mas estes últimos meses confesso que entrei no hype policial e embarquei com tudo. Foi por este motivo que solicitei para resenha este livro para a editora. Com a premissa de truques psicológicos (amo) e reviravoltas (estilo Agatha Christie) iniciei esta leitura.

        Armadilha nos apresenta Linda Conrads, uma escritora de romances super-famosa que vive isolada do mundo há 12 anos após o trauma do assassinato de sua irmã mais nova, Anna a qual mesmo não presenciando o ato em si, viu o assassino fugir do apartamento da irmã. Depois de todos estes anos, Linda em seu casarão recluso, enquanto mudava os canais afim de encontrar algo interessante deparasse com seu maior medo: ela vê o homem que a assassinou sua irmã na TV livre e impune.
        Chocada, Linda entra tenta ficar calma e começa a elaborar um plano para enfim pegar o assassino e faze-lo pagar pelo seu crime. Aí vocês me perguntam: “porque ela não conta para a polícia que acredita ser ele o assassino? ”, por que ela sabe que a polícia jamais ira acreditar que após 12 anos ela viu o assassino na televisão como repórter renomado. Com isso em mente, Conrads escreve um thriller policial retratando o assassinato de sua irmã, porém com personagens semelhantes a fim de conceder uma entrevista (e uma confissão) para ninguém mais ninguém menos que Victor Lenzes, o assassino.

        Raabe nos trouxe com este livro uma narrativa repleta de reviravoltas (que para os viciados em policiais, acredito que irão pegar as “pistas” deixadas sutilmente durante o enredo para a resolução do caso) nos forçando a entender que a verdade é muito subjetiva e que nem sempre ela é o que você vê.
“Raabe deixa você inseguro, sem saber em quem confiar. Justamente quando pensa que desvendou o mistério, você descobre que ainda está bem longe disso...” – North & South
 
        O livro é muito instigante e para os amantes dos romances policiais, ou para novatos, será de grande prazer a leitura. Confesso que encontrei alguns problemas de fluidez, mas mesmo assim não estraga a experiência de leitura. Recomendo a leitura para todos!

        Armadilha foi vencedor do prêmio Stuttgarter Krimipreis  de melhor suspense policial de estreia! Se vocês já leram ou pretender ler, gostaram? Não? Me contem!
@srta_piovesan

21/09/2016



Bom dia leitores!

         Hoje trago uma resenha do livro Investigação Olímpica, um livro policial que faz parte de uma série, mas que a leitura pode ser feita de forma independente. Foi exatamente o que eu fiz, quando recebi o e-mail da agência Oasys Cultural perguntando se eu gostaria de resenhar este livro. Bora lá?
  

  •      A Pedido do Embaixador (livro anterior);


Título: Investigação Olímpica
Série:
Autor: Fernando Perdigão
Formato: Físico
Editora: Oito e Meio (agenciamento Oasys Cultural)
Páginas: 258
Ano: 2016
Nota: 3.0/5
Sinopse:

         Existem personagens que amamos odiar. É o caso do detetive Andrade (...) Destaque para os diálogos muitíssimo bem escritos e pelo humor que nos faz rir envergonhadamente. ” Blog Literatura Policial, que elegeu "A pedido do embaixador" um dos Top 10 romances policiais de 2015.O gordo, mal-humorado e politicamente incorreto, o detetive Andrade, em sua mais nova aventura, é convidado a trabalhar em Olimpíadas fictícias que se desenrolam no Rio de Janeiro. Ele desconfia de uma série de mortes de atletas estrangeiros – por motivos fúteis como intoxicação alimentar ou a picada de uma espécie de vespa inexiste no Brasil – e passa a investigar as ocorrências contra a vontade de seus superiores, chegando a um desfecho imprevisível e cômico.
         O novo livro segue o ritmo do primeiro da série – A pedido do embaixador (Record, 2015) – e o protagonista continua em sua melhor forma, criticando e fazendo observações e piadas inconvenientes sobre tudo e todos. Lurdes, a assistente lésbica está mais feminina e não menos eficiente. Suely, a namorada, se revela ciumenta de seu ‘ursão’. Dó, a empregada, continua seus embates com o patrão, que faz o que pode para atrapalhar sua rotina de cuidar da casa. Investigação olímpica é um livro envolvente que deixa saudade.

 
         Andrade, conhecido como um dos melhores detetives do Rio de Janeiro – e mais preconceituosos do estado –, é incumbido de resolver diversos “probleminhas’ dentro da Vila dos Atletas os quais muitas vezes são considerados bem comuns em eventos de grande porte como as Olímpiadas, porém quando algo grave acontece, Andrade e Lurdes (sua assistente) tem de resolver a situação com exímio mostrando como a polícia nacional funciona.

         Investigação Olímpica mistura a diversão com a perspicácia em resolver crimes de forma rápida e ao mesmo tempo leve, impendido o leitor de “cansar da escrita”. Perdigão trouxe em seu livro temas extremamente complexos de se trabalhar (racismo, homofobia entre outros preconceitos sociais) de uma forma “leve” com uma espécie de ironia com segundas intenções.

         É aquele livro que nas entre linhas, faz você refletir algumas questões de decisões políticas que o país tomou ao abraçar este evento – pelo menos eu tive estas reflexões –.

         Porém tenho algumas ressalvas em relação a digitação da obra. Encontrei diversos erros ortográficos e até mesmo de formatação, mas creio que eles não impeçam totalmente a leitura de fluir devidamente.
 
Se vocês já leram ou pretender ler, gostaram? Não? Me contem!
@srta_piovesan

Total de visualizações de página

Leitores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *